Dengue, Zika e Chikungunya são debatidos em Chapecó

Dengue, Zika e Chikungunya são debatidos em Chapecó

24 de novembro de 2016 Off Por Chapecó



  • Considerando a importância de abordar e discutir as temáticas Dengue, Zika e Chikungunya no meio acadêmico, para integrar ensino e serviços de saúde, foi realizada nesta quarta-feira (23) uma discussão sobre “Dengue, Zika e Chikungunya no Oeste Catarinense: ações e projeções”. O evento foi realizado pela Secretária de Saúde de Chapecó em parceria com a UFFS – Universidade da Fronteira Sul. Os temas foram debatidos pela Bióloga da Agência de Desenvolvimento Regional – ADR Chapecó, Deysi Angelini, pela enfermeira e coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Chapecó, Paula Senna da Silva e pelo Biólogo e coordenador da Vigilância Ambiental de Chapecó, Junir Antônio Lutinski. Participaram das discussões os acadêmicos de Enfermagem e Medicina da UFFS de Chapecó.

    O Biólogo e coordenador da Vigilância Ambiental de Chapecó, Junir Antônio Lutinski falou sobre os trabalhos realizados diariamente pelos Agentes de Combate as Endemias – visitas em residências, cobertura de caixas de água, recolhimento de pneus e monitoramento da infestação, para coleta, eliminação e tratamento de possíveis criadouros de larvas do mosquito vetor. Também é realizada a eliminação de larvas em locais estratégicos, atendimento de denúncias e investigações de casos suspeitos. Segundo ele, é fundamental que população mantenha em suas casas os cuidados básicos como, limpar os ralos de banheiros, conferir o reservatório de água localizado atrás das geladeiras. É importante que os pneus usados sejam encaminhados para os borracheiros credenciados para que tenham a destinação correta. Também é necessária uma atenção especial para as calhas, toldos e até mesmo em alguns casos as sacadas de apartamentos que acumulam facilmente água. “O trabalho precisa ser constante e as pessoas precisam nos auxiliar fazendo sua parte, verificando seus terrenos e eliminando qualquer recipiente que possa acumular agua”, destacou.

    A coordenadora da Vigilância Epidemiológica de Chapecó, Paula Senna da Silva, falou sobre os casos da doença registrados no município. Segunda ela, mesmo com todo trabalho realizado pelas equipes os casos aumentaram nos últimos anos. O que ainda falta, é a conscientização das pessoas, que devem destinar corretamente seu lixo e eliminar os possíveis criadouros. “Se cada um fizer a sua parte, certamente conseguiremos diminuir a transmissão e os casos da doença”, enfatizou. Sobre o debate realizado na secretaria, Paula destaca que é importante o envolvimento dos alunos nas ações. “Se os acadêmicos conhecerem a nossa realidade ainda durante a formação, quando chegarem ao mercado, terão conhecimento e preparo para desenvolver as ações necessárias”, esclareceu.

    A Bióloga da Agência de Desenvolvimento Regional – ADR Chapecó, Deysi Angelini, abordou a temática Dengue, Zika e Chikungunya na região. Segundo ela, como o vírus está instalado, a tendência é que os casos aconteçam cada vez mais cedo e com maior frenquência, mesmo com o trabalho realizado diariamente pelos municípios. Segundo ela, o grande problema é ainda a falta de conscientização das pessoas que jogam lixo em locais inapropriados e deixam as caixas de água e cisterna sem tampa. “Cada um precisa fazer a sua parte. São pequenas ações que conseguem grandes resultados”, enfatizou. Ela ainda destacou que nessa época do ano, chegam as viagens de férias e os cuidados precisam ser redobrados, pois os locais visitados podem ter outras doenças ainda não identificadas.

    O Programa Pet-Saúde/GraduaSUS visa integrar a rede municipal de saúde com os cursos de graduação para reorientação da formação profissional voltada para a realidade do Sistema Único de Saúde(SUS). Assim, os futuros profissionais conhecem a estrutura e estarão melhor preparados para futuramente atuar na rede.

    O acadêmico de medicina da UFFS, João Marcos Cordeiro, falou que os alunos além de conhecer os serviços, querem ser parceiros das atividades realizadas pela Secretaria de Saúde. Por isso, no dia 28 (segunda-feira) irão realizar uma atividade na Escola de Educação Victor Meirelles para orientar os alunos sobre os cuidados e prevenção da dengue, Zika e Chikungunya. “Os alunos ajudam a difundir as orientações na comunidade”, destacou.

    A professora Larrissa Tombini, também destaca que os alunos do PET também estão realizando uma ação na Escola de Educação Básica São Francisco, com orientação aos alunos sobre dengue, lixo e biodecomposição. “Queremos ser parceiros das ações realizadas pela Secretaria de Saúde, queremos ajudar no combate”, finalizou.

    Balanço de ações em 2016

    • Borrifações e aplicações de inseticidas: 10.961 imóveis (ferro velhos, sucatas).
    • Cobertura de caixas de água e cisternas: 1.867.
    • Estabelecimentos autuados: 39
    • Foram efetuadas: 419.840 visitas domiciliares e 54.531 pessoas participaram de palestras e momentos de orientações.

    Recolhimento de pneus

    • 277empresas cadastradas enviam regularmente seus pneus para o eco-ponto, localizado no bairro Presidente Médici.
    • Foram recolhidos 85.313 pneus inservíveis que passaram pelo eco-ponto e posteriormente receberam a destinação correta.

    Casos:

    Dengue:

    2014: 03 casos importados

    2015: 34 casos autóctones mais 13 importados.

    2016: 820 casos confirmados

    Zika:

    03 casos confirmados (02 autóctones e 01 importado).

    Chikungunia:

    02 casos de Chapecó e 01 importado

    GEDSC DIGITAL CAMERA

    GEDSC DIGITAL CAMERA

    GEDSC DIGITAL CAMERA

    GEDSC DIGITAL CAMERA

    GEDSC DIGITAL CAMERA

    GEDSC DIGITAL CAMERA